quarta-feira, 1 de abril de 2009

As voltas de Luanda

E se de repente, perdemos o que nos trouxe a outro país? Podia seguir caminho, levando Luanda como um pedaço de mim. E se o destino é contrariado e deixamo-nos ficar? Ficamos a ver a vida acontecer, procurando um outro rumo. Seguimos com passadas menos seguras mas, seguimos. O encanto de percorrer a Luanda sozinha, ainda está por descobrir. A Luanda que me fez rir, tantas vezes rouba-me o sorriso. Mas essa Luanda vai dar-me um final feliz. E enquanto as palavras fogem de mim, grito pelo colo do meu país. Porque quero contrariar a ideia de quem me diz que, em Luanda sobrevive-se. Eu quero um dia escrever que em Luanda, vivo feliz.

*Para a Kianda que acha bonita a “história de amor” que se transformou num amor diferente, pela sua Luanda.

6 comentários:

Fer Guimaraes Rosa disse...

Migas, por onde tem andado?
saudades!
beijo,

Menina de Angola disse...

ai que tristeza é essa?! A migas que já é linda fica ainda mais bonita sorrindo!!!!

:)))

bj

pipoka disse...

Linda,

Muitas saudades. Quando precisares de colinho, eu estou aqui! ;-)

bjs

Miguel disse...

Hummmm migas. Speechless... boa sorte miúda :)

Anônimo disse...

...sem palavras Migas...

beijo gordo do tamanho de Angola :)
Fátima

Jean disse...

Prezada Migas,

Tenho sempre que posso lhe procurado aqui na Casa de Luanda e no Migas com Gindungo... apesar de não nos conhecermos, tenho grande estima pela sua pessoa, tanto pelas belas postagens que escreves, como a ajuda que você me deu quando precisei fazer o trabalha sobre o "pão angolano". Lembra? E lhe sou muito grato por isso, pois você não hesitou e me ajudou, mesmo sem me conhecer e estando eu no Brasil. Você me enviou fotos dos pães, e-mail com descrições e histórias... as quais usei no trabalho e, posteriormente,acabei postando-o no meu blog. O qual criei junto com um amigo, inspirado no Migas com Gindungo...
Tenho desde o final do ano, buscado novas postagens e não as tenho encontrado. Creio que, assim como eu, "milhares de fãs" estavam preocupados com você... apesar da distância e de não sermos amigos, acabamos criando afeto pelo colegas que fazemos no mundo virtual.
Que bom que estás de volta...

Um abraço,

Jean Claudi.