quinta-feira, 25 de junho de 2009

Programa para quem vive em Lisboa



Como me ensinou o F., a maioria dos leitores desse blog vive em Portugal. Por isso, deixo essa dica cultural para quem está em Lisboa e quer conhecer uma das cidades mais bonitas do Brasil. 

De hoje até o dia 30, no shopping Colombo e na praça do Rossio, acontece a I Semana de Natal em Lisboa. 

A convite da Câmara Municipal (para nós, no Brasil, câmara é onde ficam só os vereadores, e não o prefeito), a capital do Rio Grande do Norte, o estado que fica na ponta do Brasil mais próxima da África - e a apenas 07 horas de vôo de Lisboa - vai promover uma série de eventos para divulgar suas belezas naturais. 

As principais: praias mais paradisíacas que qualquer outras no Brasil (na foto abaixo, Ponta Negra), 300 dias de sol por ano, temperatura que nunca é diferente de 28 graus e uma brisa morna que sopra sem parar.

Na foto acima, em primeiro plano, a fortaleza dos Reis Magos, jóia da arquitetura portuguesa colonial com o mesmo formato estrelar da de São Miguel, em Luanda, erguidas, aliás, na mesma época.

No final de julho, é a Prefeitura (ôps, câmara) de Lisboa que vem para cá mostrar porque "valapena" se aventurar na travessia do Atlântico e flanar pela cidade de Fernando Pessoa.

E Angola, com isso? Fica a apenas 04 horas, em vôo reto, de Natal, se vôos retos existissem e pudessem matar as saudades com tanta rapidez.

12 comentários:

Luís Rochinha disse...

A 1ª foto é um espectáculo. Não sabia que Natal era assim. :D

Zanucki disse...

Apesar de toda a beleza do RN existe um problema que não deixa a gente usufruir dela: segurança! Infelizmente é assim. Eu podia alinhar no espírito de promoção turística do post e fingir que estamos perante um lugar paradisíaco mas a realidade não comporta apenas a belezas natural.

P.S. Nem preciso dizer que não é nada contra a maioria dos potiguares que sofre no dia a dia a falta de tranquilidade e sonha com morar em condomínios fechados com cercas eléctricas e guardas.

Patrick disse...

É uma pena Zanucki, porque isso significa que você está renunciando a conhecer o Brasil, posto que o Rio Grande do Norte (além de Santa Catarina e Piauí), durante toda esta década, manteve-se como um dos três estados menos violentos do Brasil. Referências: 1, 2, 3.

F. disse...

Zanucki, você tem razão em apontar a questão da violência, que infelizmente é uma realidade no cotidiano das grandes cidades brasileiras. Num nível que não se vê na Europa ou em Luanda.

Mas é verdade também o que diz o Patrick sobre Natal ser uma das capitais mais seguras do Brasil. Por lá estive em duas ocasiões sem jamais sentir-me constrangido por qualquer possibilidade de violência.

O povo potiguar é hospitaleiro, as belezas são calmantes para os olhos, os preços são baratos - pelo menos para os europeus.

Não podemos nos deixar dominar por palavras que ouvimos sobre aquilo que não conhecemos. Se eu me rendesse a isso, jamais teria conhecido África, jamais teria vivido alguns dos melhores dias de minha vida em Luanda.

Zanucki disse...

Tenho família no Natal.
É uma pena mesmo a violência. Não vou entrar em polémica, só pergunto: conhecem muitos lugares onde as pessoas de bem vivem com medo atrás de grades e cercas eléctricas e os criminosos se passeiam livremente?
Quem tem filhos tem necessariamente que se preocupar.

Patrick disse...

Criminosos passeiam livremente? Nos últimos doze anos o número de presos triplicou. O Brasil já tem a a oitava população carcerária do mundo.

Zanucki disse...

É um pouco uma forma de expressão mas não deixa de ser verdade. Claro que o turista vai por uma semana e se naquele tempo não acontecer nada ele fica maravilhado.

cotamaria disse...

Obrigado pela dica, X.
Com todo o prazer irei ao Centro Comercial Colombo visitar a I Semana Natal em Lisboa.
No entanto, devo dizer que comecei a conhecer melhor a diversidade de oferta turistica do Brasil, sempre que fui visitar a BTL (Bolsa de Turismo de Lisboa).

Depois deste post, dei comigo a pensar na distância entre Luanda e Natal. Gostei de saber que 4h de vôo reto marcam a distância entre Luanda e Natal. E uma simples letra também. Encontrei-a casualmente ao olhar para o voo re(c)to - directo - entre estes dois continentes irmãos.
Kandandus
cotamaria

F. disse...

Zanucki, eu concordo que a situação da violência no Brasil está muito aquém do que seria desejável. Mas é difícil realmente diferenciar o que é violência efetiva do que é a sensação de violência. Quando a população se sente insegura, ela dissemina visões estereotipadas, como essa que lhe passaram, de que os criminosos estão a andar soltos pelas ruas, com se não se pudesse sair de casa.

Se eu acreditasse em todos os perigos que diziam existir em Angola, jamais teria me mudado para Luanda. E depois de viver lá um ano constatei que quase tudo o que me diziam era fruto da imaginação amedrontada de pessoas que ouviram falar que aconteciam coisas terríveis.

Zanucki disse...

F. eu compreendo tudo o que escreveu e até lhe dou razão na questão das visões estereotipadas mas também faço deduções a partir de fatos. Acho que Angola no geral não tem a violência que existe no Brasil.
Não deixa de ser louvável a sua intenção de promover o Natal. Ouço frequentemente na mídia que o Brasil é o destino mais procurado pelos portugueses.

André Miguel disse...

Caro X, prometo que quando for conhecer o Brasil começo por Natal.

Celina disse...

Adoro Natal e adorei o post, mas só um detalhe: a ponta do Brasil mais perto da África não é a Ponta Seixas, na Paraíba?