terça-feira, 8 de julho de 2008

Mistério desvendado

Assim que cheguei a Luanda chamou-me a atenção o fato de todos os ralos de piso serem vedados. Perguntava-me qual razão teria levado os irmãos angolanos a tapar a sempre útil saída de água, que nos permite lavar ambientes internos da casa como banheiros, cozinhas, etc.

Cheguei até a planejar um post perguntando aos leitores daqui a resposta para o enigma. Mas sempre deixava para outro dia e agora não é mais preciso.

Hoje, logo cedo, encontrei o escritório em alvoroço feminino. Três colegas que trabalham na sala ao lado chamavam toda a malta para ver, no vaso sanitário do banheiro, o defunto do que fora um rato.

Na noite anterior, uma das moças destapara o ralo e o ambiente foi invadido pelo intruso. Para sorte de todos, o indigitado não sabia nadar.

Está desvendado, portanto, o mistério: os ralos são vedados para impedir a entrada dos ratos.

11 comentários:

fernando baião disse...

Se fosse só rato, estariamos todos felizes. Ainda não viram as nossas ratazanas, grandes, tão grandes que os nossos gatos passam ao largo. É costume dizer, que o povo angolano emagrece, na mesma proporção que as ratazanas engordam com a porcaria a que está votada a nossa cidade.

F. disse...

Fernando, confesso que nunca havia visto nenhum rato em Luanda. Dividia a cozinha da primeira casa que habitei com um, pequenino, que inclusive atacou-me os cereais matinais certa feita, mas jamais nos encontramos, por assim dizer, face a face. Mudei-me antes.

kianda disse...

Porque os pequeninos fogem ... só aparecem qdo não está ninguém... mas aqui, na tuga, também tem ratos. E não nos podemos esquecer de um galo, em cascais (dizem que é zona fina, ehehehe) que ainda por cima canta às 4h da tarde... pra haver galo vivo tem de haver capoeira, não???!!!

fernando baião disse...

Para já é um galo frustrado, um dia, o dono atirou-lhe de manhã um sapato,e agora só canta depois de almoço, quando o agressor está a trabalhar.Antigamente os reis comiam rodeados de galos, cabras e porcos, e eram chiques e para serem chiques tinham que comer num chiqueiro, duvidas ou duvidas!!!

Anônimo disse...

Ah não, gente. Eca! (Não confundir com Eka, a Cerveja). De qualquer tamanho e pedigree, Eca!
Josie

F. disse...

Kianda, menos mal que o teu galo cante às 4h da tarde. Imaginas se fosse à 4h da manhã?
Fernando, a palavra chiqueiro deriva de chique? Ou é o contrário?
Josie, confesso que as baratas pouco me incomodam. Apenas piso sobre elas e pronto. Já contra os ratos, sinto-me impotente. E se forem do tamanho que o Fernando diz, então, o que fazer? Dar-lhe um tiro?

Celina disse...

Gente, estou em pânico imaginando esses ratos. Não pode haver nada pior!!! Coitada da P.

fernando baião disse...

Na Corimba, o meu pai, matava as ratazanas, que pareciam gatos, com caçadeira de chumbo. Rato(uribengo) pequeno, não tenho, problema, agora ratazana, sinto horror. Em Luanda, quando alguém pensa que é chique, logo aparece outro que diz:"claro nasceu num chiqueiro". Olha F., em Luanda tem barata voadora que parece ave, não dá para pisar!

fernando baião disse...

Desculpa o atrevimento F., mas para esquecer os ratos e as baratas, quero alimentar o teu(nosso) dicionário, que tem andado um pouco esquecido:
Aí vão algumas expressões muito usadas em Luanda:
-Kuata=agarra
-Walalá=gritamos, quando o jogador faz uma grande finta num jogo
-Kafundado=injustiçado, preterido
-Tunda=fora, sai
-Kinga=espera
-aiué=expressão de espanto, de dor
-Katé Mungu=até amanhã
-Uaué=Acudam, socorro
-Auá!=Caramba!
-Aka=credo, chiça

F. disse...

Celina, nao precisa se preocupar porque a P. nao liga muito para ratos. O problema dela sao as baratas, ainda mais agora que o Fernando contou das voadoras que parecem gaivotas...
Fernando, nao tem atrevimento nenhum. Ambos somos autores nao so desse dicionario, mas tambem desta casa inteira! Abs.

Anônimo disse...

Queridos amigos postadores do blog. Adorei os comentários, ainda que baratas e ratos não me assustem muito. Acho que são resultados de uma ocupação urbana desordenada e que pode ser resolvido. O que realmente me assusta são os POLÍTICOS RATAZANAS que, por aqui, entram e saem pelo ralo a todo instante, e o pior, sabem nadar de braçada e estão cada vez mais vivos e proliferantes.
chr