quarta-feira, 9 de julho de 2008

Vias de facto

O trânsito ia congestionado nas imediações do Zé Pirão, até aí nenhuma novidade, quando percebi uma agitação do outro lado da avenida. Um pequeno acidente entre dois candongueiros. Pequeno mesmo, nem se notava qual era o amassado novo, entre os tantos outros que já criam barbas nas maltratadas carrinhas.

Mas eis que os dois motoristas e mais seus cobradores e mais alguns passageiros, ou desocupados que por ali estavam, abandonaram os bons modos e partiram para pancadaria mesmo. Ali, às 9h da manhã, em plena luz do dia.

No meio de tudo, um senhor polícia (da ordem pública, não do trânsito), tentava acabar com a briga, mas estava mais era a apanhar do que a conseguir conter os ânimos.

Discussões acaloradas por causa do trânsito eu já havia visto aos montes, mas o pau comendo mesmo (como se diz lá no Brasil), foi a primeira vez.

5 comentários:

m.Jo. disse...

Achei curioso o fato de os motoristas de Luanda usarem pouco a buzina ["pouco" em relação à doidera do trânsito]. Até achei que fosem calmos. No domingo uma conhecida contou sobre uma discussão braba que presenciou, envolvendo perseguição a la James Bond, exibição de armas e parada estratégica na delegacia, para proteção. Um colega que chegou comigo, outro dia, viu o passageiro de uma candonga puxar a peixeira e passá-la no pescoço do motorista. Não é moleza não.
Josie

fernando baião disse...

Tirando os Ninjas, polícia de intervenção rápida, todos os outros que andam na rua, ninguém tem respeito. Quando há uma maka, fogem dela como o diabo da cruz( segundo dizem os católicos).Coitado do teu polícia, armou-se em forte e levou porrada. Coitado, digo eu, porque não conheço pessoa nenhuma de país nenhum do nosso planeta, que não goste de ver polícia a levar com o próprio pau.

fernando baião disse...

Aproveito a oportunidade, por falar de polícias, para alertar quem vem de férias, para ter o máximo de cuidado quando vai para o aeroporto com as suas malas.Os amigos do alheio começaram a lançar uma nova operação, atacando os carros dos utentes que vão
viajar e quanto mais malas mais eles são ferozes,(conto o que me contaram, pois não estou a ver como eles sabem das malas, se normalmente estão no porta-bagagem).Um amigo meu, recém- casado, foi atacado, levaram tudo e mais alguma coisa, até a aliança de casamento se foi, felizmente, ficou o dedo.Não é uma informação alarmista, pois só conheço dois casos, apenas, preventiva, aos amigos que vão agora sair de férias.

m.Jo. disse...

Essa história da perseguição a la James Bond mereceu um comentário de um ouvinte: "Se fosse no Rio, o motorista já tinha levado chumbo de cara, nem tinha tido a oportunidade de negociar."
Josie

Anônimo disse...

Sempre me considerei destemido, até por conta do treinamento que tive e do período militar que vivi e participei. Além disso, já transitei por lugares duvidosos, no mundo e no Brasil, principalmente no Rio de Janeiro. Sempre creditei essa despreocupação e desapego ao meu Anjo da Guarda, que é forte está sempre junto. Todavia, depois de ler os comentário, tenho minhas dúvidas se meu Anjo está disposto a me acompanhar em Angola.