quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Hainavasias, as ilegítimas


Não é nenhuma novidade que o sucesso das sandálias Havaianas pelo mundo é motivo de orgulho para os brasileiros. De tão cobiçadas na Europa e nos Estados Unidos, onde chegam a custar mais de 30 dólares, as sandálias atraíram a atenção dos chineses, que já a imitam e distribuem em vários países – inclusive em Angola.

Um antigo comercial de tevê dizia que as Havaianas, as legítimas, não deformam, não têm cheiro e não soltam as tiras. Bem, não é exatamente assim. O pé direito do par de chinelas que eu trouxe para Angola soltou as tiras irremediavelmente em Benguela, há uns meses atrás. Comprei outro par, que resolveu ganhar o mundo no balanço das ondas na semana passada, numa visita à Cabo Ledo.

Foi assim que cheguei descalço à véspera de Natal. E estava eu dando tratos ao peru ontem pela manhã quando bateu à porta o Aguinaldo, motorista de uns amigos nossos, que nos foi cedido para nos ajudar nos últimos preparativos da ceia.

- Senhor F., estão aqui as chinelas. Não sei se vão servir.
- Chinelas, Aguinaldo? Como assim?
- A dona P. me deu dinheiro e recomendou que lhe comprasse umas chinelas.

Ele me estendeu um maravilhoso par de hainavasias, as ilegítimas, que havia custado 200 kwanzas (2,80 USD) nas zungueiras. Ainda não sei sobre as tiras, mas em 12 horas de utilização as chinelas já demonstraram que soltam as cores. O que não chega a ser um defeito assim tão grande, já que o par comprado pelo Aguinaldo fazia uma improvável combinação de azul, marron, branco e dourado. As tiras são de um dourado brilhante.

Quando a P. chegou de volta, eu quis saber:

- Que instruções destes ao Aguinaldo sobre as chinelas?
- Eu disse a ele que você não gostava de nada muito colorido. Pedi para comprar umas chinelas pretas, ou azuis.

Não preciso nem dizer que as minhas hainavasias foram os sucesso da noite na ceia de Natal em casa. Todos ficaram maravilhados com a criatividade cromática.

É como dizia o slogan: Hainavásias, as ilegítimas. Não aceite imitações.

8 comentários:

Anônimo disse...

F:SUAS HAVAIANAS ESTILIZADAS SÃO LINDAS: CONFESSO QUE NUM PRIMEIRO OLHAR ACHEI QUE ERAM GRAVATAS, MAS QDO COLOQUEI OS ÓCULOS ENXERGUEI AS TIRAS DE UMA SANDÁLIA. CH GANHOU UMA DO SANTOS F.C. E NÃO AS LARGA.VC QUER UMA IGUAL À DELE? RD FELIZ NATAL!!!!!!

Jussara disse...

Pelo menos mantem seu bom humor, adorei. Boa sorte com os chinelos novos... Boas Festas, bjinho!

Rodrigo Fernandes disse...

Muito bom o post, muito bom o blog. Entrou direto nos meus favoritos. Bem escrito, bem humorado, informativo sem ser chato ou tendencioso, enfim, essencial. Vida longa e próspera!

Abraços d`além mar de um brasileiro da Mui Heróica Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro

m.Jo. disse...

Meu caro F,
Tomara sua cota de "falsifi" na vida seja inteiramente preenchida por chinelos, DVDs e selos de artesanato.
Que suas amizades, amores, dinheiros e uísques sejam 100% genuínos.

Jean disse...

Prezado F.,

Parabéns pela postagem: Maravilhosa e ilegítima, a criatividade chinesa.

Um abraço,

Jean Claudi

jotabloguer disse...

Boas: Impagável este seu relato! Na verdade os fundamentos da peças de origem estão subvertidas há muito tempo! É um salve-se quem puder e ao menor custo possível! Já leio frases assassinas como: Não comprar nas lojas chinesas!!!
Porquê, pergunto eu? As ditas grandes marcas o que têm feito nestes últimos tempos para fabricar os seus produtos "originais"? Mas aqui está um relato quase hilariante do que pode o humor e ironia humanas! Temos de sorrir mais!
Jorge madureira

Kuanhama disse...

Amigos de coração,
passei aqui um bom bocado! Obrigada! Sou lusoangolana e "morrendo" de saudades da minha terra, sul de Angola, procuro por tudo quanto é sítio alguma notícia de lá, dei com vcs... que grupo lindo! Deus vos guarde! Que o Novo Ano vos traga tudo o que mais desejam, eu desejo-vos muita saúde e a continuação desse bom humor! bem hajam!

Juliana Reis disse...

Sou brasileira e achei seu relato espetacular!!! São muito boas as sandálias,mas este "não solta as tiras" nunca foi muito verdade mesmo...