quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

No tempo das rusgas

Sandro é motorista numa grande empresa brasileira com operações em Luanda. Ele me diz que tem 24 anos, eu faço uma conta rápida:

- Você deu sorte então. Quando chegou na idade de fazer tropa, a guerra acabou.
- Nem por isso, chefe.
- Como assim? A idade de ir para a tropa não é 18 anos?
- Naquele tempo da guerra o exército apanhava qualquer jovem a partir de 14, 15 anos que estivesse pela rua. Não esperava completar 18 anos. Você não via jovens assim andando por aí. A gente só saía de casa para a escola, de lá para casa e ficava fechadinho. Quando circulava a notícia então de que ia ter rusgas, ih, nem valia a pena. A gente não saía nem para ir à escola.
- Rusgas? O que é isso?
- É como eles chamavam os períodos em que apanhavam jovens nas ruas para a tropa. A gente ouvia dizer, do dia 1 ao dia 15 de dezembro vai ter rusgas, já nem saía de casa para nada, porque se estivesse na rua e a tropa passasse, era mesmo apanhado na hora.

Sandro passou os melhores anos da adolescência se escondendo. Mas pelo menos escapou da tropa.

6 comentários:

Rachel disse...

Adorei seu blog... estarei sempre dando uma lida!

Sucesso

fernando Baião disse...

Realmente houveram rusgas, se alguns menores de 15 anos foram apanhados, é possível,mas foi muito antes de 1992, data das primeiras eleições. Depois entre 92 e 94 houve novo recrutamento forçado para suster o avanço das tropas da UNITA coligadas com mercenários de todas as origens, sul-africanos e apoio americano.Depois as FAA (Forças Armadas Angolanas) tomaram a ofensiva e não houve mais recrutamento em larga escala, por causa das condições de vida, era a própria juventude a enquadrar-se nas forças armadas voluntariamente.
O vosso motorista está a dar uma de "banguista" pois em 1994, tinha só dez anos.Angolano gosta de de se fazer.Não andou nada escondido.
Kandandu

F. disse...

Pode ser mesmo, Fernando... Mas ele não é meu motorista não. Só me deu uma boléia outro dia. ABs.

Bibbas disse...

hum, os pais devem lhe ter diminuido a idade para escapar ao recrutamento obrigatório...ou então de tanto ouvir contar como foi, passou a acreditar que ele vivenciou esses momentos...Sabem que o escritor Pepetela tem um livro famoso chamado "As aventuras de Ngunga", one narra a historia de um heroi adolescente...tudo ficçao...Um dia na sua casa em Luanda, no Miramar, batem a porta. Era um jovem que se dizia chamar Ngunga, e que tinha vivido tudo aquilo que o escritor escreveu...

Anônimo disse...

Concordo e reforço o parecer do FBaião, pela idade que diz ter, Sandro não viveu o tempo das rusgas.E no tempo das rusgas, a corpulência era mais tida em conta,i.e., jovens com menos idade e com mais massa corporal eram levados e alguns franzinos com mais idade conseguiam escapar. Ficar escondido em casa não era sempre a solução mais viável, porque as tropas surgiam de madrugada batendo as portas das casas durante 2 ou 3 dias; e ainda que houvesse alguem escondido, tinha sempre um vizinho ou conhecido que denunciava a existência de jovens numa determinada residência.Como certas casas não eram seguras como esconderijo, então as capoeiras = galinheiros, os currais, árvores de grande porte,igrejas, até mesmo os telhados serviam como esconderijo. Recordo-me que os jovens na Ilha de Luanda, nessa altura embarcavam todos para o alto mar, ficando por lá o tempo necessário até passar a rusga naquela localidade.
No tempo da rusga, também era proibido esquecer-se da carteira dos documentos, porque em qualquer esquina as tropas estavão lá pra identificar os cidadãos, até as mulheres não escaparam. O documento solicitado era o B.I. = Bilhete de Identidade, e caso não o apresentasses era "maka da grossa" porque a maior parte dos soldados que ficavam à rua eram pouco letrados e então só exiam a apresentação do "Papel com Foto" = B.I., i.é, ou vejo a tua cara no papel que preciso ou então embarcas.
Era assim e um pouco mais no tempo das rusgas.

Bué de abraços!
Patyfendes

Sardinha D'Angola = Lambula disse...

Infelizmente alguem teve de ir para a tropa e sacrificar a sua juventude para que voce, eu, e todos os viventes possamos viver numa Angola em Paz.

Ou voce pensa que a Unita era um bando de cowboys ou guerrilheiros maltrapilhos como os da Somalia, Congo ou Serra Leoa?

A Unita era um exercito profissional com armas convencionais e chegando a ter tanques sofisticados como o BMP2 e mesmo o lança foguetes Ouragan.

É muito facil ficar em cima do muro e falar, criticar, mas coloque-se no nosso lugar:

De um lado um governo legitimo, um estado democratico, agredido por alguem que rejeitou eleicoes organizadas pelas Nacoes Unidas e que queria instalar em Angola o Pol Potismo africano, nós os cidadaos deveriamos todos ficar de braços cruzados e deixar a Unita ganhar?????