sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Fulano deixa Angola rumo ao Leste da África

Fulano, na primeira visita ao nosso antigo local de trabalho: 
ele vai deixar saudades em Luanda

Na semana passada, deixou Angola para fazer uma viagem de cinco meses entre a África do Sul e o Egito o nosso querido Fulano, uma verdadeira instituição dentro do círculo de amigos que transitam na órbita deste blog. 

Foi com ele, juntamente aos morados da Casa Branca, que vivi os momentos mais engraçados nesse país. Cafés na pastelaria Nilo nunca foram válvulas de escape tão boas quando ele resolvia destilar todo o veneno que na maioria das vezes sua educação britânica tolhia.

Rico, branco, bem nascido, falante de diversas línguas e morador de um dos bairros mais ricos de uma das cidades mais ricas do mundo, ele tinha tudo para nunca passar sequer calor, mas escolheu a África e mais particularmente Angola para dar o pontapé numa carreira profissional de sucesso.

Fulano foi a primeira pessoa que, no primeiro dia de Luanda, me levou até aos bares da Ilha, ao alto da Fortaleza de São Miguel, me mostrou as luzes da baía a partir da perspectiva do Miramar e disse, com sua voz pausada: "esse é o lado turístico de Luanda, amanhã vamos ao Roque Santeiro". 

Nesse tempo todo - um ano! - transformou-se na maior autoridade expatriada em Catorzinhas que eu conheci. Sabia tudo ao pormenor do que elas gostam ou não. Nesta festa, atingiu o pico da tietagem. Deve ter tido por aí umas dez namoradas angolanas e, no meu entender, foi embora com o coração em frangalhos por causa de uma muito bonita. 

Viu Angola talvez com a perspectiva mais interessante de todos nós, o grupinho que transita na órbita do blog. Tal qual um São Francisco de Assis, despiu-se de toda riqueza e ajudou muito, mais muito, todos aqueles que sentaram ao seu lado durante 365 dias.

Segue bem, Fulano, nessa longa jornada pelo lado leste da África.


7 comentários:

Anônimo disse...

Querido X., obrigado pelas palavras. Aqueles meses que passamos juntos em Luanda (os cafés na Nilo, os papos na redação, as festas...) foram mesmo inesquecíveis.
Vou sentir muitas saudades.
Epá, só contesto essa história das dez namoradas! :P
kandandus,
joão

F. disse...

João, valeu pela força naqueles tempos difíceis da Pastelaria Nilo. Faça boa viagem, meu kamba. Vá na paz, com segurança, sem correr riscos desnecessários. Vamos te acompanhar pelo blog. Abs,

Anônimo disse...

e, muito importante X., li noutro blog que o moço vai fazer a viagem toda por terra.
Ahhhh! Isso sim, é uma viagem de SONHO!

bj
Fátima

Anônimo disse...

Tudo de sucesso nessa viagem! E queremos postes com fotos e comentários!

Gabriel Borges disse...

se a viagem der certo é eu que vou ano que vem...

Menina de Angola disse...

Conheci o Fulano por poucas horas na despedida da casa de luanda. Essa viagem com certeza vai ser maravilhosa. Muita sorte, cara!

Aliás, qual o blog da viagem?

bj

Roberto Ivens disse...

Desculpem lá interromper a euforia colectiva mas «...a maior autoridade expatriada em Catorzinhas» quer mesmo dizer o que penso querer dizer?