quinta-feira, 26 de junho de 2008

Fui convidado para colaborar como co-autor neste blogue e devo apenas falar do meu país. Tenho tanta coisa para contar, coisas más, miséria, fome, doenças, pouco ou nada de saúde, educação é o que se vê. Prostituição infantil, tráfico de orgãos, droga e alcool. Trânsito, falta de água e luz. Museke, lixo é bwé, cidade do asfalto não fica atrás. Coisas boas, povo generoso, gosta de receber bem, generoso até demais. Próximas eleições, coisas boas, será? Expatriado está com medo, angolano rico também. Pobre tem que aguentar, "é a minha sina já", diz ele, com esperança que tudo venha a melhorar. Promessas e mais promessas, bicho político é assim, promete para não perder a cadeira do poder, depois vira alzheimeroso, tudo esquece, o povo que se lixe, nem todos podem ser ricos, isso é que era bom, socialismo já era, ou melhor já foi, igualdade só no céu, mas isso não sei, pois ainda não morri, para saber, disse o João Domingos, criado (empregado) de um branco, cooperante da Teixeira Duarte, que diz não ter nada a ver com isso, está ali para cooperar e política não é com ele.

9 comentários:

F. disse...

Fernando, que bom ler a sua estréia nesta casa! Seja bem-vindo!
O ritmo do seu texto de chegada é não poderia ser mais Luanda! Quem conhece sabe do que estou a falar!

Migas disse...

Muito bom tê-lo como colega blogueiro, Fernando! Realmente esta chuva de palavras rápidas é bem "à angolano"! :o)

Quanto ao criado/empregado, é essa a ideia que eu tenho. A opinião eles têm mas, preferem guardar para eles. Não será assim?

ameixa seca disse...

Olá Fernando! Um país é isso e muito mais, certo? Fico à espera do tanto que tem a contar, bom ou mau :)

kianda disse...

Bela estreia. Parabéns "colega" ;-) . Vai pegando nas tuas estórias, abrevia e "posta" aqui. Beijú

Moira disse...

Também fico à espera dos próximos posts, pelos comentários que li ao longo das minhas visitas à Casa de Luanda, fico ansiosa por ler os seus próximos textos. Cumprimentos

Menina de Angola disse...

Fernando... bom te ler... como sempre estás de olho e não perde a oportunidade de colocar o dedo na ferida... Eu ando desconsolada com o caos, não sei se a saudade ou o fim do encanto que se tem quando tudo é novidade... De qualquer forma o que se ouve por aqui para qualquer coisa que se queira fazer é: "só depois da eleição"... Sim eu como boa expatriada tenho medo e vou sair de férias. Alguns podem me condenar por pular do barco, mas como posso ficar ao lado de quem não sabe de que lado está?

bj

fernando baião disse...

Menina de Angola, não te culpo não. A indecisão é total, seja estrangeiro ou angolano, infelizmente, o medo propaga-se como o mujimbu (boato)e as pessoas atendendo aos problemas que assolam essa cidade, ficam confusas. Vai tranquilamente de férias, decansa o espirito e volta fresca como uma flor, pois precisamos de ti, neste país, tudo o que vem do outro lado do oceano, do Brasil, é bem vindo.

Uma Brasileira nas Arábias disse...

Fernando Baião,

Só tenho um comentário a fazer... Sempre o rico tem nomes bonitos para seus defeitos. Se é ladrão, vira cleptomaníaco. Se é louco, tem Alzheimer... Pobre e fraco é mesmo ladrão ou doido. No Brasil é o mesmo.
Parabéns pela estréia! :) Que venham novos posts! Abs, Paty

Anônimo disse...

Se a natureza pode nos ensinar alguma coisa, nos mostra que a organização da vida depende de um equilíbrio dinâmico das espécies. Da mesma forma, no seu campo restrito, o homem em suas várias matizes culturais e políticas, depende de um equilíbrio social para a própria sobrevivência das populações. Isso independe da vontade tirânica e maluca de algum efêmero político no poder. Sendo assim, tempos melhores virão.
chr