domingo, 23 de março de 2008

Rendição


Luanda gruda-me à pele com seu calor úmido, entra-me corpo adentro com seus sons, odores e paladares. Oferece-se em magníficos pores-do-sol todos os fins de tarde, de nuvens rosadas contra o azul-claro do céu, de mar dourado como as promessas dos melhores sonhos românticos. Exibe orgulhosa o farolete da Lua cheia a iluminar a baía de águas calmas e o céu profundo de África. E assim vai aos poucos se insinuando, conquistando, seduzindo quem, ao primeiro olhar, só enxergou sujeiras e feiúras e maldades. Rendo-me. Tu és bela, admito. Impossível não gostar de ti, mesmo com todos os teus defeitos. Mas entendas, pequena Luanda, que ainda vou levar muito tempo, se que é esse dia chega, para chamar-te de minha.

10 comentários:

Anônimo disse...

Quanta sensibilidade para fazer poesia neste cenário tão bem descrito no blog. Gostei!
Celina

Giba disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
F. disse...

Celina, pode parecer brincadeira, mas a verdade é que a o lugar é bonito mesmo.
Giba, grande Giba. Quanto tempo. Por onde andas? Aparece mais vezes por aqui. E deixa de conhecer Luanda só por texto. Vem pra cá experimentar. Abs.

Vivi disse...

O despero em busca de novas oportunidades, me fez esses dias mandar um currículo para a Toyota de Luanda.

Adorei os textos da nova fase.
Como já disse aqui, sorte!

F. disse...

Pô vivi, cê tá no desespero mesmo, hein.... (rs)

flavia disse...

P e F,
Estou viciada neste blog! Impressionante como vocês conseguem descrever a mistura de sentimentos que embaralha a nossa cabeça quando olhamos para esta cidade! Linda, mas chocante nas suas lojas de produtos finíssimos justapostas ao lixo e aos pedintes sequelados de polio nas ruas.
Obrigada pelos textos! E mais uma vez, parabéns!

Anônimo disse...

Adorei........parece-me q estou descrevendo exatamente o q sinto,

NP

simonebarros disse...

que maravilha descobrir o poeta distante! Bjs

F. disse...

Obrigado Flávia, você como moradora da cidade, como nós, conhece bem o que estamos tentando mostrar. Pelo visto esse também é o caso do NP, certo? Você mora em Luanda? Si, que bom te ver por aqui! Pra poeta ainda falta muito, viu. Bjs.

Anônimo disse...

O nascer e pôr do sol se dá em qualquer recanto da Terra. Independente das contradições, degradação ambiental, degradação humana, remete o Ser a uma reflexão sobre a Natureza e o papel do Homem por aqui. É como se dissesse: "'...ainda há tempo."

Prof. R.