terça-feira, 6 de maio de 2008

Depois do rapper, dançou o gatuno

Ele foi rápido na hora de tomar o cordão de ouro do rapper 50 Cent, como já foi contado aqui. Mas a Polícia Nacional de Angola foi ainda mais rápida. No domingo, o Gatuno foi preso, mas já não portava mais a jóia do artista americano. Segundo disse a polícia, ele a perdeu pouco depois do roubo.

13 comentários:

fernando baião disse...

Depois da família do gatuno ter visto a sua foto na televisão, levou-o à esquadra, tendo ficado em prisão preventiva. A verdade é que a jóia que está avaliada em mais de 600 mil euros, um pouco mais de 900 mil dolares, levou novo sumiço, onde está, só os deuses sabem.

Paty disse...

Hahaha! Acredita quem quer que foi o ladrão quem perdeu o cordão, né?

F. disse...

Fernando, acho que de gatuno esse rapaz não tem nada. Aproveitou a chance pra levar uma lembrança do ídolo. Nem tinha pensado, na hora, nas conseqüências.

F. disse...

Convenhamos Patty: quem vai pagar 900 mil dólares a um gatuno num cordão de ouro? Tudo bem que os preços aqui são malucos, mas essa já é demais. O cara deve ter passado a jóia pra frente por umas merrecas.

joão disse...

caro f., um detalhe importante: foi a polícia que disse ter prendido o ladrão. e foi ela que disse que a jóia desapareceu. será que esse cara é mesmo o que roubou o 50 Cent? a história me lembrou uma notícia publicada uns 10 dias atrás, que dizia ter sido desmantelada a quadrilha que andava a assaltar em luanda. é notícia oficial, quem garante a veracidade? algum repórter ouviu os detidos? alguém conversou com o suposto ladrão do 50 Cent? enquanto a imprensa não cobrar o poder público, ninguém vai saber se a polícia está pegando os caras certos ou se está agindo apenas para ficar bem na fita.

F. disse...

João tem um ponto importante aí. O Jornal de Angola não trouxe uma frase - nem o nome - do indigitado gatuno. Mas pode ter sido falha do tipo de jornalismo que eles fazem por lá (vide o texto postado depois deste).

fernando baião disse...

O gatuno segundo fontes policiais, se chama Bruno Carvalho. Será?Os jornalistas nunca chegam à fala com a polícia, ou porque o agente não está autorizado a falar, só o chefe, mas o chefe, também não está,o Ministro claro que não fala, então, quem sabe se é verdade ou mentira. Infelizmente, no nosso país, este é um dos problemas mais graves, pois choca com a segurança das pessoas, mantém as mesmas num permanente desassocego.

Anônimo disse...

Curiosamente há uma semelhança com o Brasil. Determinados casos policiais são resolvidos com muita eficiência. Talvez possa ser analisado dentro de um foco de "ação policial seletiva".
chr

Paty disse...

Oi, F.,

Meu ponto de vista é o seguinte: o ladrão roubou, mas "perdeu", certo? Será que ele repassou por merreca ou a polícia "perdeu" pra ele? ;)
Vai ver que foi até encontrado, mas "confiscado extra-oficialmente" pelos policiais para, digamos, uma "averigüação" mais aprofundada do material. Haha! Só que o confisco vai durar eternamente!!! Haha!
Este cordão já está longe, com certeza.

Migas disse...

Um destes dias, ouvi este tema lá no escritório. A secretária com um outro moço. E sabem qual era o problema mais grave, para eles? Era a imagem que o acontecimento iria dar de Angola, para o mundo. Ok, concordo que foi "feiocas", mas fiquei a pensar que este é exactamente o pensamento que passa por estas bandas: a imagem que o país passa para o exterior. Não interessa se diariamente a mesma secretária tem medo de ser assaltada, ao sair do candongueiro ou, se chega a casa e não tem luz nem água. O importante, isso sim, é a imagem triste que esse infeliz ladrão passou para o mundo, ao roubar o fio do senhor 50 cent!!

Para mim, foi a prova de que, por mais que eu gostasse de entrar mais em certos ambientes, a falta de segurança não me permite!

Beijos!

fernando baião disse...

é verdade Migas, o angolano médio fica muito preocupado com a imagem transmitida por estes "faits divers", mas esquece a má imagem que é transmitida pela fome, miséria, prostituição infantil,tráfico de crianças e orgãos, doenças e mais doenças, enfim,o pesadelo que se abateu sobre o seu povo.

F. disse...

Paty, essa sua dúvida é pertinente. Se fosse no Rio ou em São Paulo, eu te diria que a polícia teria "perdido" o cordão pra ele. Mas por lá, também, nesse caso, teriam acabado com ele, em lugar de prender, que é pra ele não poder contar no tribunal quem era o tira que tinha "perdido".
Migas, essa questão da imagem realmente tem um valor exagerado. Não é por outra razão que alguns angolanos se indignaram com este blog no início. Sabiam que nada do que está escrito aqui é mentira, mas achavam que ia afetar a tal imagem do país.
Fernando, eu tenho a impressão de que não é o só o angolano médio não. Haja vista o exemplo da Comissão de Direitos Humanos. A ONU teve de fechar o escritório oficialmente a pedido do governo, insatisfeito com os relatórios que afetavam a imagem do país ao denunciar desrespeito aos direitos humanos no país. Em lugar de atacar as violações, fecha-se o escritório e salva-se a imagem.

fernando baião disse...

Tens razão,F. devia dizer angolano da classe média e da alta, governantes incluidos e mais uns generais, porque o povo, coitado, nem da sua própria imagem pode cuidar.