sexta-feira, 30 de maio de 2008

Lá vem a Dorotéia

Dorotéia é já uma senhora, avançada na idade, meio cansada da lida. Grande que chega a ser exagerada, anda pelas ruas rebolando ancas largas. Bebe um pouco, mas não exagera, e além disso é doce no trato.

Eu havia chegado a Luanda disposto a manter-me longe de tipos como ela, mas sucumbi. Desde ontem, Dorotéia entrou na nossa rotina. É ela quem vai nos proteger do poeirão do cacimbo, que já me plantou uma tosse irritante no peito.

Dorô, como já está sendo chamada pela P., não é angolana. É japonesa. Uma Nissan Patrol com mais de dez anos de uso, mas bem conservada, que vai nos ajudar a vencer as longas estradas angolanas.

4 comentários:

Uma Brasileira nas Arábias disse...

Oi, F.,
Gostei! Comecei a ler imaginando que era uma ajudante para a casa.
Com o transporte público tão precário, não tem muito jeito... Vocês fizeram bem. ;) Boa sorte com a Dorô! E paciência, muita paciência... Bjs, Paty

Anônimo disse...

Tem como trazer a Dorotéia para Santos? EU QUERO!!!!Veja o que é necessário por aí e importo....rs
Não esqueça da foto.
Beijo.
chr

anna v. disse...

Boa sorte! Queremos fotos.

F. disse...

Olá Paty, eu não posso ter uma ajudante doméstica porque ainda não tenho casa definitiva...
CHR, exportar a Dorotéia não vale à pena. Vai demorar muito pra chegar em Santos e a pobrezinha pode não resistir às malvadezas que esses marinheiros são capazes de fazer com velhinhas inocentes.
Anna V., que bom te ver por aqui. Vou fazer umas fotos da Dorô.