terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Só mesmo Luanda pra fazer o F. vestir este modelito...


A tarefa parecia simples: ir até o Ministério das Finanças pegar um documento. O F. me levou, porque é praticamente impossível estacionar por ali.

Na entrada, o segurança me barra:
-Moça, tem que meter o cachecol!
-Cachecol? Com esse calor?
-É, madrinha. Não se pode entrar de ombro de fora.
-Mas moço, só vou ali pegar um papel. E minha blusa é bem fechada, nem tem decote. Qual o problema do ombro de fora?
-Decote pode, mas ombro de fora não. Tem que meter o cachecol, madrinha...
-Mas eu não tenho cachecol! O senhor acha que eu vou andar de cachecol com esse calor?
-Então tem que voltar outro dia...

Já tínhamos perdido uma hora de trânsito pra chegar até lá. Voltar outro dia, nem pensar. Fui então atrás do F., que já estava dando a volta na quadra. "Fico no carro e ele entra", pensei eu.

Mas logo me dou conta que o F. está de... bermudas! Se não pode ombro de fora, perna também não deve poder, né? Olho pra blusa dele. Uma pólo surradinha...

Eu: -Hmmmm... E se eu vestisse a sua blusa? Não é muito fashion mas pelo menos cobre os ombros...
F.: -Tá, mas e aí como eu faço? Também não posso dirigir sem camisa.

Olhamos ao mesmo tempo para a minha blusinha... E é aí que surge, nas duas cabecinhas, o plano perfeito...

Eu proponho:
-E se...
F., captando a mensagem:
-Não, esquece. Não vou vestir sua blusa de alcinha.
Eu: -Mas já perdemos tanto tempo vindo até aqui... E além do mais ninguém vai te notar assim dentro do carro.
F.: -Sem chances. Vou tentar estacionar, te dou minha blusa e fico sem, esperando no carro.

Depois de 40 minutos tentando encontrar um vaga, sem sucesso, F. entrega os pontos:
-Dá logo essa blusa aí que eu vou vestir. O máximo que vai acontecer é o policial me multar por boiolice...

Visto a pólo surradinha, mas o F. se atrapalha todo com as alcinhas. O sinal vai abrir, ele tem que acelerar, mas a alcinha do ombro direito não passa no bracinho de nadador. F. força um pouquinho e... a alça arrebenta!

Fazer o quê? Encostamos no Ministério, eu subo as escadas de mármore rindo sozinha e a secretária não tira os olhos da minha blusa. Explico: -Não tinha cachecol, improvisei com a blusa do meu marido. E ela: -Ah... Achei que a senhora fosse alemã! Elas é que costumam se vestir assim! (vai entender...)

Em 5 minutos estou de volta e logo reconheço a Dorotéia parada no semáforo, com o F. em estado de graça com seu modelito tomara-que-caia!

Moral da história: Em Luanda, algo muito simples pode facilmente transformar-se numa grande aventura. E para que ela tenha final feliz é preciso muito bom humor e muito jogo de cintura! (e se possível um marido disposto a mudar de estilo!)

10 comentários:

Diário da África disse...

Farei os comentários pessoalmente, amanhã à noite...

F. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
fernando baião disse...

Bancos do Estado e Ministérios, em Luanda, são catedrais, igrejas de Deus e o Senhor, mamas pode ver, mas ombro de mulher, nem pensar.Funcionárias de mini saia e a fumar, pode, mas cliente de ombros nus, é crime.
P.S.-Por favor F. não chama de máfia azul, nem vermelha, nem outra côr qualquer, pois senão, vem aí um anónimo e lhe puxa as orelhas.

F. disse...

voce tem razao, fernando. tem coisas que eh melhor nao dizer. vou tirar o comentario.

Anônimo disse...

Uaaauu que fashion!!!!!
Malta aqui na banda é assim, o que se deve fazer não se pode, e o que se pode fazer não se deve, e o que ... enfim... e lá vamos nós vivendo, rindo e aprendendo como acontece cá, lá, alí e acolá.

Patyfendes

Anônimo disse...

Dei muiiiiiiiita risada. Fiquei imaginando a cena. Por acaso a blusita de alcinhas era aquela azul-marinho? A vida vale por esses momentos alegres e vcs têm uma criatividade imensa. Adorei, ri muito. RD

Gabriel Borges disse...

ha ha ha já tive este problema pora qui, minha mulher teve que entrar usando uma capulana, devido a bermuda, não deve ter ficado tão interessante quanto o F. com esta blusinha.. não tem foto?

Celina disse...

P., mais cruel do que fazê-lo mudar de estilo foi postar esse texto com a prova do crime, ahahahaha. Adorei!

Afonso Loureiro disse...

Toda a gente sabe que os ombros são muito mais eróticos que os decotes inflacção-galopante-que-não-dá-para-comprar-pano que abundam por Luanda...

Mas não consigo deixar de me rir ao imaginar o F. de alcinhas...

m.Jo. disse...

Sensacional. Nada como uma boa sacudida nos paradigmas. Fiquei imaginando o F. de alcinhas, bermudas e aquelas sandálias havaianas falsifi.