quinta-feira, 24 de abril de 2008

Sete dias sem água

Então os chineses, sempre eles, estavam a esburacar alguma obra quando deram com uma conduta. Era só a principal adutora de abastecimento de Luanda. Que se rompeu e por isso a cidade toda completou hoje sete dias sem água.

Dizem que a água está a voltar, está a voltar. Nossos reservartórios privados se esgotaram no banho de balde da manhã. Se esta noite não entrar, amanhã vou ter de dar uma chegadinha na praia da Ilha...

16 comentários:

fernando baião disse...

Pois é meu amigo, a água e a luz, são as nossas maiores dores de cabeça. Há bairros em Luanda que não têm água desde a Independência, as pessoas acarretam água em baldes à cabeça kilómetros, sobem andares com jerricans, para poderem comer e lavar, os próprios (são as partes baixas) todas as manhãs de caneca.Quem deveria querer saber, tem tanques subterrâneos e geradores gigantes que dão para abastecer um bairro inteiro.Agora são os chineses, mas já foramos brasileiros da Odebrecht e os portugueses do Mota & Ca, da Teixeira Duarte e da Soares da Costa.Apanhem água da chuva, já me lavei assim há uns anos atrás. Não é gozo,é conselho construtivo. Se fores à Ilha lavar, usa sabão macaco, pois pega melhor com a água salgada, do que o sabonete cheiroso. Kandandu(abraço)

joão disse...

Parece que realmente "está a voltar", F. Aqui na Maianga já chegou, se isso o consola!
Abraço,
João

F. disse...

Fernando, obrigado pelas dicas. Vou conservá-las para a próxima estiagem prolongada, mas desta vez não foram necessárias. Como o João já previa, a água entrou esta manhã e pude tomar banho no chuveiro mesmo. Abs.

fernando baião disse...

Contente por vocês, pois o cheiro a katinga( suor de vários dias) é insuportável. Afasta os mosquitos, mas há outras formas de os afastar.A chegada da água é motivo para festejar. Bebe uma kisangua (cerveja de milho) bem gelada ou um copo de maluvu marufu, vinho de cajú ou de seiva de palmeira, palmito ou bordão. Fiquem bem. Kandandu

Anônimo disse...

Não sei se dou risada ou choro. Enfim, provas da vida.
CHR

fernando baião disse...

ser anónimo, já é mau, indeciso entre rir ou chorar,é péssimo.A hiena também ri, uma vez por ano, e nós perguntamos, tá a rir de quê?

F. disse...

Fernando, você destratou um dos meus leitores mais freqüentes. E nem anônimo ele é: assinou a postagem com as iniciais. Pega leve irmão. Todo mundo tem direito a se manifestar.

Anônimo disse...

Caro Fernando Baião, merece meu respeito e admiração por participar do blog, por isso vai a explicação: Rir de sua própria "...cheiro de katinga" o que faz supor e imaginar várias situações constrangedoras, nada mais do que isso. Chorar de saber que um país tão rico e com um povo tão dócil e alegre tenha dificuldades para assegurar o mínimo que é uma higiene adequada. Como pode ver, simples. Grande abraço.
CHR

fernando baião disse...

Sou obrigado a pedir desculpa, pois levei o comentário para outro campo. Da próxima, prometo melhor atenção. De qualquer maneira, quando um comentário for mais duro com o meu país, o sangue ferve, mas vou tentar pôr água na fervura. Um kandandu para o anónimo e para o F.

fernando baião disse...

Caro F. Não é um comentário, mas sim um pedido. Um amigo de peito,tem um problema com a próstata, em estado já avançado. Conheceu um angolano que conseguiu controlar a doença, através de uma planta índia do Brasil, chamada "Ibaúba", de uma árvore parecida com o imbondeiro ou baobá, folhas amarelas que servem para fazer um chá. É possível vocês brasileiros do Blog, darem alguma dica?Muito agradecido desde já.Meu email: fbaião@netcabo.pt.
Kandandu forte

F. disse...

Fernando, vou fazer umas pesquisas a respeito e te envio pelo e-mail.
Kandandu.

Anônimo disse...

Caro Fernando Baião, aumentou minha admiração , és uma pessoa com espírito bom e estás correto em defender tua terra, estou contigo. Também pesquisarei a cerca de tratamentos para teu amigo.
Abraço.
CHR.

Quando vieres ao Brasil, és meu convidado.

fernando baião disse...

Obrigado CHR. Estive no Brasil fins de Março, dez dias em S. Paulo e três na Baía. Em Maio ou principios de Junho tou lá outra vez. Pode ser que estejamos juntos. Um grande kandandu

Anônimo disse...

Fernando Baião, te escreverei por e-mail e darei meu endereço. Será um prazer te guiar por aqui.
Um grande abraço.
Carlos Henrique Ramalho

Anônimo disse...

Fernando Baião, a propósito, não sei se és de Portugal, mas estarei por aí no final de junho, em Póvoa do Lenhos, próximo a Braga. Quem sabe possamos nos encontrar.
Grande abraço.
CHR

fernando baião disse...

Sou angolano, mas por motivos vários, que depois poderei explicar, tou agora mais tempo em Cascais. Nessa altura, acabam as aulas dos meus filhos mais novos e poderá ser possível um encontro.Na altura se verá. Tens o meu email, diz algo depois.Abração