terça-feira, 29 de abril de 2008

Trouxa de roupa na cabeça

Então eu tinha de transportar uma imensa trouxa de roupas da casa onde elas haviam sido lavadas, no Kinaxixi, até a nossa nova morada, no Maculusso. E como fazia um sol inclemente, eu sem viatura para me ajudar, decidi seguir o exemplo das mulheres angolanas. Mandei o fardo pra cima da cabeça.

Pra quê? Virei atração na rua. Os homens troçavam de mim:

- Tá cansado o mundele? - e se riam, divertidos, até que uma mulher me parou:
- Moço, quem carrega coisas assim são as mulheres, tás a ver? Os homens usam mesmo os braços, que são fortes.
- Mas assim é melhor de carregar - respondi. - E ainda faz sombra pra esse sol quente.

Ela não se agüentava de rir:

- Ai é? Pois olha, vamos que eu lhe ajudo. Tire o fardo daí que estão todos a rir de si.
- Não faz mal. Onde está escrito que homem não pode carregar nada na cabeça?
- Tou a ver logo que és do Brasil, pois não? Baixe cá essa sacola e vamos juntos - divetia-se ela.

E caminhou comigo até a esquina da minha rua.

9 comentários:

fernando baião disse...

Dizem que é a nossa tradição. Os homens vão na frente, nada na cabeça, nada nas mãos. As mulheres vão uns metros atrás, trouxa ou balde de água na cabeça, filho nas costas e sacos nas mãos.Vocês já viram porque o angolano tem muitas mulheres.No interior, o homem fica sentado debaixo do imbondeiro a fumar cachimbo e a mulher trabalha na lavra, a semear milho, feijão e ainda tem que dar matabicho no senhor.
Outro dia vou falar do alembamento.

flavia disse...

F,
Só de pensar na situação já estou morrendo de rir, muito boa esta!

Fernando,

Obrigada pelas suas contribuições, bem interessantes! Mas agora estou curiosa sobre o alembamento, vai conta logo!

Abraços!

Migas disse...

Ahahah! Deve ter sido mesmo imperdível! :o) E é mesmo uma verdade, por cá a mulher é que faz a casa andar! Tradição que nem vale a pena discutir. Quer dizer, eu às vezes discuto mas, fico a perder, claro!

Quanto ao alembamento: Fernando, comece pelo que é o tradicional de Malange. Ao que me disseram é dos piores mas não sei porque (não acabaram a história porque estava lá um casal cuja moça era de Malange).

Beijos a todos!

fernando baião disse...

"Alembamento"=contrato matrimonial.
Em português não há termo capaz de traduzir,significa os diversos objectos, animais, bebidas ou dinheiro que o noivo dá à família da rapariga para com ela passar a viver maritalmente.Não é a compra da mulher.Nos kiokos,o alembamento é paga em panos, enxadas, fatos(ternos) e dinheiro.Entre os Ganguelas, são cinco bois,, pólvora, espingardas e um mupica(escravo).De acordo com a região, o alembamento, sofre alterações mas será sempre constituido por, animais,panos, dinheiro, bebidas e artigos de pedra, ferro ou cobre.Regra geral é o tio quem recebe o alembamento, no entanto os pais assistem quase sempre para legitimar o casamento.

fernando baião disse...

Caro F.
Quanto às folhas do "Ibaúba" ou "Embaúba" já consegui com um amigo de Salvador da Bahia. Obrigado pela vossa atenção sobre o assunto. Estamos juntos

Paty disse...

Nossa, F.!
Muito engraçado este post! Não consigo imaginar esta cena!
Estou aqui morrendo de rir sozinha! Você já está praticamente um local, hem! :)
Bjs procê e pra P.

Anônimo disse...

Essa história realmente vale a pena, F. ehehehehehe
Celina

Anônimo disse...

Essa é a grande riqueza da vida, a diversidade de culturas.

F. disse...

Fiquei impressionado mesmo com a reação das pessoas. Até porque eu acho que já tinha visto homens carregando coisas na cabeça. É raro, como alertou o Fernando, mas acho que já vi. Sei lá.